Impostos para estabelecimentos de saúde: entenda

Já falamos em posts anteriores sobre os desafios da gestão para estabelecimentos médicos. Sabemos que o sistema tributário brasileiro é muito complexo e que o Brasil está entre os 30 países em que mais se pagam impostos no mundo. Nessa época do ano, um assunto muito discutido é o Imposto de Renda. E você, sabe como lidar com os processos de tributação e impostos?

O que considerar em tributação e impostos para clínicas?

Os encargos e impostos variam de acordo com o regime escolhido (modelo completo ou simplificado) e se você optar por declarar como pessoa física ou jurídica. Antes de fazer essas escolhas, é fundamental realizar um levantamento das receitas, despesas e margem de lucro do seu hospital, clínica ou laboratório.

Imposto municipal

O município recolhe apenas um único imposto, o ISS (Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza). A alíquota pode variar de acordo com cada cidade e também com o porte do seu estabelecimento médico. Geralmente o valor cobrado é de 3%.

Impostos federais

A esfera federal conta com uma série de tributos. Veja com detalhes abaixo:

IRPJ (Imposto de Renda de Pessoa Jurídica): alíquota entre 10% a 15%, com base no lucro real ou no lucro previsto. Caso você opte por trabalhar como Pessoa Física, ao invés do IRPJ, deve pagar o IRPF.

COFINS (Contribuição para Financiamento da Seguridade Social): alíquota entre 3% a 7,6%, que tem como base o faturamento mensal do estabelecimento.

PIS (Programa de Integração Social): muito semelhante ao COFINS, este tributo recai sobre o faturamento mensal. Sua alíquota é de 0,65% para o lucro presumido e 1,65% para o lucro real;

CSLL (Contribuição sobre Lucro Líquido): alíquota entre 9% e 32%, de acordo com a base de lucro da clínica;

INSS (Instituto Nacional da Seguridade Social): o tributo incide sobre a folha de pagamento dos funcionários e sua alíquota pode variar de 15% até 20% do salário bruto dos colaboradores.

A importância do planejamento tributário

Agora que você já sabe quais são os principais impostos cobrados, é necessário fazer o planejamento tributário, ou seja, analisar todas as formas possíveis para que você não fique suscetível a problemas com a Receita Federal. A famosa “malha fina” pode causar cobrança de multas altíssimas.

Com o planejamento tributário, você consegue analisar oportunidades de economia fiscal. Por exemplo, seu estabelecimento está sendo tributado corretamente? Hospitais, clínicas e laboratórios  em que há a correta distribuição das despesas evitam uma distribuição de lucros alta, diminuindo a probabilidade de fiscalização.

Como você deve ter notado, o pagamento de impostos não é uma tarefa simples. Dessa forma, é indicado que você busque a ajuda de um contador e que consulte as opções existentes utilizando simulações para que seja possível observar a melhor opção de tributação e impostos para o seu negócio.

Continue acompanhando nosso blog

Precisando de capital para o seu negócio? Conheça o Mais Saúde Crédito.

Comentários
Compartilhe em suas redes sociais...